BOM DIA 2016

Na minha janela bate o sol. E um pássaro teimosamente decidiu cantar em minha varanda. Minha mulher ainda dorme e acordei com um forte desejo de expressar muitos sentimentos.

Decidi então pegar meu tablet e conversar com você, minha querida leitora.

Como estou com sentimentos bons, meu primeiro desejo é compartilhá-los com você e fazer com que se sinta tão feliz como eu neste momento.

Sentimentos e expectativas em relação ao futuro não são certezas, mas se todos estiverem imbuídos dos mesmos sentimentos, uma energia poderosa e transformadora será criada e a partir daí tudo poderá acontecer.

Acho que por milagre desconectei da realidade e entrei no mundo de meus sonhos, mas não importa, só importa o que estou sentindo e acreditando. Talvez seja esse o tão falado poder da fé.

"Sonhe grande". Imagem: reprodução da internet.

“Sonhe grande”. Imagem: reprodução da internet.

São muitas, muitas, as coisas que acredito que a partir de hoje irão acontecer, mas só vou destacar as principais:

– o povo brasileiro vai se unir numa sólida corrente pelo Rio Doce, os responsáveis em todos os níveis serão punidos, o mundo se sensibilizara com nossa conduta séria diante da catástrofe e se engajara na campanha. O Rio Doce rapidamente será salvo, novas ameaças serão eliminadas, as populações ribeirinhas voltarão a sorrir, a fauna e a flora ressuscitarão. Todos os riscos potenciais espalhados pelo país serão eliminados e nada igual ao Doce acontecerá;
– só usaremos energia hídrica, eólica e solar;
– vamos reduzir a menos de 10% todas nossas leis, mas todas terão que ser cumpridas. As transgressões serão discutidas num prazo máximo de 90 dias e as penas serão cumpridas sem benefícios; com a certeza da punibilidade os crimes se reduzirão drasticamente e os presídios se esvaziarão; uma grande economia será obtida na segurança e será destinada à saúde e educação;
– a burocracia será eliminada e todos os processos serão simples; 90% dos funcionários do setor público estarão em salas de aula e em hospitais; jovens terão avaliação vocacional e serão preparados para serem altamente produtivos e felizes;
– não teremos mais do que dez ministérios;
– depois de um estudo sério a quantidade de municípios do país será reduzida a ⅓, o legislativo se reduzirá na mesma proporção, não teremos mais do que cinco partidos e dessa forma o custo da política diminuirá drasticamente;
– políticos assumirão seus cargos como missão e terão apenas uma ajuda de custo básica para o pleno exercício de suas funções; trabalharão 44 horas por semana e não mais haverá recesso;
– o judiciário só se subordinará ao seu próprio saber, pois todos, rigorosamente todos os cargos, serão preenchidos por concurso; o executivo e o senado não mais participarão da nomeação da nossa mais alta corte de justiça;
– o parlamentarismo será implantado para nunca mais termos um governante rejeitado por todo país;
– quem desmatar a Amazônia será punido com prisão perpétua e o mundo nos remunerará dignamente por isso;
– pesquisa e tecnologia serão uma prioridade nacional;
– os impostos serão justos, bem aplicados e todos pagarão voluntariamente e com prazer;
– o governo reduzirá os juros e com as economias que fará, em 10 anos pagará todas suas dívidas; a partir daí todas as poupanças financiarão investimentos privados;
– todos os direitos serão reconhecidos e os radicalismos terão fim;
– serão criados mecanismos que eliminarão a perpetuação de grupos no puder;
– a miséria será abolida e todos terão dignidade; não por favor, mas por conquista;
– todas as religiões terão um mesmo propósito e seus membros desenvolverão a moral, a ética e a espiritualidade por pura consciência;

Olha gente, eu acredito em muitas outras coisas mais. Essa lista pode ser ampliada por você. Só peço a todos que se permitam sentir e seguir na direção que seus corações apontarem porque o universo certamente vai se movimentar e você será chamado a agir.

UM ANO PARA ESQUECER E NÃO REPERCUTIR EM 2016

Imagem: reprodução da internet

Imagem: reprodução da internet

Nunca imaginei que existisse tanta gente cínica, egoísta, sem compaixão e caráter. Gente capaz de se unir em nome de objetivos torpes e egoístas sem medir os males que causam ao nosso país.

O mais incrível é que parceiros e antagonistas se juntaram num grupo pecaminoso e inescrupuloso para se defenderem da justiça que de alguma forma agora os ameaça. Ninguém quer ser punido por mal feitos que se tornaram tão banais que talvez até os façam se sentir injustiçados.

Tudo que hoje existe sempre existiu, só que nos últimos anos, apregoando proteção aos mais fracos e desamparados, nunca tantos limites foram quebrados. Organizaram a roubalheira, acabaram com os últimos alicerces morais que possuíamos, implantaram um balcão de negócios em todos os níveis do poder, destruíram as bases de nosso futuro, mentiram deslavadamente como nunca se mentiu, debocharam de toda sociedade.

Nos trataram e ainda nos tratam como verdadeiros idiotas. Postergam verdades
inquestionáveis até quando podem, na esperança de um vento salvador soprar e afastar o que de direito tem que acontecer por honra e mérito de nosso povo.

Gostaria de ser menos informado para não enxergar o que está acontecendo e não prever o que nos espera.

Hoje li a coluna de “Arnaldo Jabor” no Globo e ele disse muito do que todos querem dizer. Ela é longa, mas contém tantas verdades que alguns trechos não podem deixar de ser reproduzidos. Diz Arnaldo, que 2015 foi o ano da mandioca, do vento engarrafado, do que tudo que era sólido desmanchou no ar, que 2015 foi o ano da República que ficou com dois poderes ao mesmo tempo em lutas e alianças (o executivo cheio de culpas negociando com o legislativo chantagista), que 2015 foi ano de um Chavez e um Maduro amigos do Brasil, um 2015 do personagem pixuleco, de cervejinhas de 90 mil reais, de dois milhões de analfabetos, de eruditos burros nas universidades pregando stalinismo para jovens indefesos, um 2015 de um povo obeso ou faminto, de grandes empresários cheios de pose e razão depois de flagrados roubando em parceria com políticos e governantes, um 2015 que apenas começou a desnudar a festa indigna de familiares e amigos dos maiores ídolos que está nação já teve, um 2015 em que tivemos a maior tragedia ecológica de nossa história, talvez do mundo, tratada como um pequeno acidente, talvez uma topada que nem deixa dedo inchado, um 2015 dos 39 ministérios, de certezas teimosas, do dólar disparado, um 2015 da irresponsabilidade fiscal oficial, de PIB super hiper negativo, de bicicletas e pedaladas, de uma “nova matriz psicótica” que vem aí e que fará tudo ao contrário do que deve ser feito, por pirraça ideológica e burrice, um 2015 da volta da pior estagflação da história, do risco Brasil crescendo e do crescimento caindo, um 2015 liderado por quem teimosamente insiste em dirigir o país com a mais absurda rejeição popular até hoje registrada.

Imagem: reprodução da internet

Imagem: reprodução da internet

Não tenho mais medo de 2015 porque ele chegou ao fim. Só tenho medo dos que não querem deixá-lo acabar e pretendem em 2016 prosseguir com as artimanhas e calhordices que acabarão por nós tirar qualquer chance de recuperação. Tenho medo sobretudo, de nissa sociedade que ameaçou reagir e se acomodou. Tenho medo que ela continue anestesiada, sem indignação e incapaz de dizer não às muitas artes da bandidagem que por gosto ou medo luta desesperadamente para continuar dominando as classes menos favorecidas com mimos ilusórios, de tal sorte a permanecer se perpetuando debochadamente no poder.

J. Pose